I am interested in personal identity because it is important to account for what we mean when we think a person is the same at different points in time through all sorts of vicissitudes, as well as being crucial for some relevant cases of moral responsibility. It also tells us something about what we should and should not be fearful of in certain far-fetched, hypothetical scenarios philosophers have come up with. I suppose it has some important «existential» consequences as well, though I am scarcely acquainted with Existentialist problems. My intuitions run as follows.

I. Let us suppose that, as the story goes, Derek Parfit was at Mars and entered into a Teleporter — for the first time in his life —, which works by first putting him to sleep, then scanning his body instantaneously (to avoid recording the state of his cerebellum and occipital lobe at one time, and the state of his parietal and frontal lobes at another time) — a process which also instantaneously destroys the original body —, and finally sends the scan-information to Earth, whereupon a body (and brain) exactly like the one in Mars is reconstructed. We can sketch it out like this:
Derek I
I say there is a psychological continuity between the entity inhabiting the red line and the entity inhabiting the black line. (Psychological traits are understood dispositionally.) This means two conditions are satisfied: (i) First, there is a strong psychological overlap between the black line entity and the red line entity (meaning they share a lot of psychological features). This clause which prevents radical and rapid psychological change between the temporal stages of an entity — if you had a very, very wild head injury you surely wouldn’t be continuous with your former self.

(The case of Phineas Gage gives food for thought. He changed his personality dramatically in a matter of moments, when a considerable portion of his frontal lobe was damaged in an accident. The first chapter of Antonio Damasio’s book, Descartes’ Error, vividly explains his case. It’s very interesting, look it up. I am not sure if there was a radical enough, rapid enough, change in his personality to allow us to conclude he has become a different person. Anyway, if there was, I would say the old Phineas Gage is gone and we should mourn him. The new person wouldn’t be a Phineas Gage at all. More on that later.)

(ii) Secondly, the entity on the red line inherited its psychological make-up from the entity on the black line. This means there is a strong causal relation between them of some sort: the psychological make-up of one was a strong causal factor in determining the psychological make-up of the other. This clause prevents two very similar people without such a psychological causal link (say, me and some dude from Laos) to be labeled as continuous with one another.

Combining i and ii, we could get some transitivity into our psychological theory: if A strongly overlaps with B and B inherited from A, and B strongly overlaps with C and C inherited from B, then we can not only say that A&B and B&C are psychologically continutious with each other, but also that A&C are so. (This explains how we’re psychologically continuous with our teenage selves, even though we have only the faintest psychological overlap with them.)

We also have that the entity on the black line is Derek Parfit. These two facts, psychological continuity and the Parfithood of the black line entity, are, I maintain, sufficient to establish that the entity on the red line is, too, Derek Parfit. I will argue further that they are the same Derek Parfit. (It will become clear as the essay goes on in what ways it could be that two Derek Parfits could not be the same Derek Parfit. For now, just reflect upon the fact that Derek Parfit could have not gone into philosophy.)

This much people usually grant, but that’s only before they are faced with some other thought experiments. I will consider a few of them beyond the Teleporter Case (TC): the Noncontinuous Replicator Case (NcRC) and, then, the Continuous Replicator Case (cRC). These usually give people the heebie-jeebies and make them reject psychological theories of personal identity. On with the NcRC!

II. Suppose that when Derek Parfit enters the machine in Mars he has actually entered into a Replicator, not a Teleporter: instead of putting him to sleep, scanning him (and vaporizing him in the process), and then sending the information, he is only put to sleep, scanned without any harm to his body, and then the information is sent. Right as a collection of atoms arranged Parfit-wise is done being built at Earth, the Martian Parfit wakes up. The situation, then, is as follows:
Derek I
Here we’ve got to entities which are both continuous psychological extensions of the original, one-entity Derek Parfit that existed up until his entrance into the Replicator (stupidly named ‘Teleport’ in the image). Both lifelines share the entire black line, and both are extensions of it. Since they share everything that made Derek Parfit himself, they both have equal entitlement to call themselves Derek Parfit — and even the original Derek Parfit, if the concept makes sense. Right before entering the Replicator, Derek Parfit could expect himself to come out both at the Earth and at Mars, because both are him in a strong sense.

This seems wildly counterintuitive, because clearly the Parfit at Mars is a different entity or person from the Parfit at the Earth, specially after they’ve acquired some cognitive differences between them (through thinking and experiencing different things). So could they both be Derek Parfit, and moreover both be Derek Parfit himself in that strong sense? It seems paradoxical do say «x is Derek Parfit», «y is Derek Parfit», and «x is not y» at the same time. I will explain how we can understand these terms in a way it does not become paradoxical.

(An interesting question to ask is this: suppose that the Parfit that comes out at the Earth will receive some vigorous punches in the balls, whereas the Parfit in that comes out at Mars will receive some vigorous, relaxing massage. Since the Parfit that enters the Replicator comes out both at Mars and at the Earth, in my view, should he, right before his entrance, be worried or cheerful? Would you be worried? — This is perhaps the most existentially puzzling idea-question I have come up with in these meditations, and I will explore in a later section. Consider that we can’t say that Parfit has a 50/50 chance to appear, after the Replication, either at Marts or at the Earth. What is the case is that he has a 100% chance of appearing at both. This is maddening.)

Pois bem, quando dizemos ‘x é Derek Parfit’ dizemos que x é uma entidade que pertence ao conjunto “Derek Parfit”. Esse conjunto possui certos critérios de pertencimento, que pode ser algo como “é uma extensão, um desenvolvimento contínuo, das memórias e disposições da criança de 10 anos Derek Parfit.” Assim, toda aquela entidade que for uma extensão (desenvolvimento contínuo) da psicologia do menino específico Derek Parfit, será Derek Parfit. Sim, isso implica que múltiplas pessoas podem ser diferentes e, ao mesmo tempo, todas serem Derek Parfit, i.e., todas fazerem parte do conjunto ou classe Derek Parfit.

Isso resolve o caso da fissão cerebral: caso separássemos seu cérebro em dois hemisférios, cortando o corpo caloso que une os dois, e destruíssimos o hemisfério direito, o natural seria dizer que seu hemisfério esquerdo que sobreviveu é você. Ele é muito parecido e herdou suas características psicológicas de você. Se fizéssemos o contrário com o direito e o esquerdo, também diríamos o mesmo. (Na vida real, o hemisfério direito parece ser muito mais burro do que o esquerdo, em termos de funções cognitivas de alto nível. Mas suponha que esse não é o caso.) E o que aconteceria caso preservássemos o cérebro em dois? Eu diria que ambos são você, mesmo que (depois de um certo tempo de experiência) um seja uma pessoa diferente do outro. É só que ‘você’ é uma classe de psicologias que se estenderam continuamente da sua.

Tal como dizemos que Aristóteles poderia não ter se tornado filósofo, dizemos que Parfit poderia não ter entrado no teletransportador, e coisas do tipo. Isso indica que ser Aristóteles ou ser Parfit não é ser um indivíduo específico, como o Aristóteles que existiu no mundo atual e foi professor de Alexandre o Grande, mas sim ser um ente que satisfaz certas condições. Um ente não seria Aristóteles se não fosse humano, ou se tivesse um make-up genético radicalmente diferente do Aristóteles, ou se tivesse adquirido uma doença cognitiva séria na primeira infância, detonando completamente seu cérebro.

Como existe uma multiplicidade de estados em que Aristóteles poderia se encontrar e ainda ser Aristóteles, eu digo que ser Aristóteles é uma classe de indivíduos específicos: todas as extensões psicológicas possíveis de algum Aristótele-fonte. Outros diriam que é ser uma extensão física de um Aristóteles-fonte, como o Aristóteles bebê; outros dizem que basta ser uma entidade com um certo make-up genético. De qualquer modo, está claro que vários indivíduos específicos podem ser Aristóteles, e nem por isso serem o mesmo indivíduo. Ser Aristóteles não é ser um indivíduo específico. Assim, tanto Derek Parfit de Marte quanto Derek Parfit da Terra são igualmente Derek Parfit. Mas serão o mesmo Derek Parfit? E será algum deles o mesmo Derek Parfit que havia antes de sua entrada no Replicador?

Como mantenho que o que é crucial para a identidade de um Aristóteles específico ser uma extensão psicológica específica de um Aristóteles-fonte, para mim não faz sentido perguntar qual das duas extensões do Derek Parfit — a terrestre ou a marciana — seria o Parfit original. Se dizemos que o Parfit que entrou no Replicador (chamemo-lo de Parfit-R) era uma extensão do Parfit-fonte — e portanto tão Derek Parfit quanto qualquer outra extensão do Parfit-fonte —, também dizemos que tanto o Parfit terrestre quanto o Parfit marciano são extensões do mesmo Parfit (o que entrou no Replicador, Parfit-R). Portanto, os dois Parfits são igualmente Parfit-do-Replicador. Se você se perguntar onde você vai sair caso você entre num teletransporte desses, a resposta é que haverá duas cópias suas, as duas igualmente você. Você sairá em dois lugares ao mesmo tempo, e isso não é paradoxal porque haverá dois vocês.

Isso parece implausível, não parece? Imagine o seguinte cenário: você entra num Replicador na Terra que te escaneia sem causar qualquer flickering ou pausa na sua consciência. Você fica consciente do começo ao fim do processo, e seu cérebro é copiado quase instantaneamente num momento t (se o feixe do scanner demorar demais, analisará seu cerebelo e seu lóbulo occipital enquanto seu cérebro está num estado x, e analisará seu lóbulo parietal e frontal enquanto seu cérebro estiver num estado y, o que pode causar problemas). Logo depois, surge um cérebro em Marte com o exato estado mental que você tinha em t. Faz sentido dizer que a pessoa que entrou no Replicador na Terra, que não teve qualquer gap no seu processo consciente, poderia ter ido para Marte? Não parece melhor dizer que a pessoa original continuou na Terra, com sua consciência contínua, e uma réplica apareceu em Marte?

Creio que não. Isso só parece plausível por causa de um erro conceitual: pensamos existir uma identidade para mentes tal como existe para objetos. Uma réplica exata de uma bola não é aquela bola, mas outra. Igualmente, pensamos ingenuamente, uma réplica exata de uma mente não é aquela mente, mas outra (mesmo que ela ainda possa ser chamada de Derek Parfit). Pois isso é falso, não existe esse tipo de identidade para mentes. A identidade que existe é a que estou delineando aqui: continuidade psicológica. No caso detalhado no parágrafo anterior, tanto o Parfit na Terra quanto o Parfit em Marte são igualmente extensões do Parfit-em-t. Novamente, não faz sentido perguntar qual era o Parfit original, pois isso pressupõe algum tipo de identidade que preserve a ‘originalidade’ (tal como a bola clonada não é a bola original).

[Branching-branches é um caso interessante a observar. Derek-Terra e Derek-Marte ambos são Derek Parfit Original. Se replicarmos o Derek-Terra, e também o Derek-Marte, teremos: Derek-Terra-1 e Derek-Terra-2, que ambos são o Derek-Terra Original; e teremos Derek-Marte-1 e Derek-Marte-2, que ambos são o Derek-Marte Original. Todos os quatro são o Derek Parfit Original. Mas o Derek-Terra-1 e o Derek-Terra-2 (tal como o Derek-Terra Original) não são nenhuma versão do Derek-Marte, e vice-versa. Sharing lifelines is crucial, man.]
~
Se eu quisesse saber o que eu (no sentido de “Daniel Coimbra”) teria me tornado caso não houvesse me mudado para Campinas em 2012, ou caso meu pai houvesse morrido em 2008, ou caso eu houvesse continuado cursando Física em 2014, eu estaria perfeitamente satisfeito em observar o desenvolvimento de um Daniel Coimbra de 16, 12, ou 18 anos, em um ambiente diferente do que vivi eu (no sentido de “extensão tal do Daniel Coimbra”) a partir daquele ponto. Ainda seria um Daniel Coimbra all right, mesmo que ele fosse significativamente do Daniel Coimbra que eu sou.
Derek I
Essa visão tem pelo menos uma consequência um pouco estranha. O que acontece se vivi muito bem até o dia D, e depois do dia D vivi mais três dias, e neste terceiro dia bati a cabeça e perdi irreversivelmente todas as mudanças cognitivas feitas no meu cérebro desde o dia D. Todas elas, de tal modo que meu cérebro voltou a ter exatamente as mesmas memórias e disposições que eu tinha até o dia D. Sou agora uma pessoa diferente? Alguém morreu? Alguém observando de fora observaria o seguinte:
Derek I
Veja que a lifeline do Daniel da extensão azul não inclui os desenvolvimentos feitos na lifeline do Daniel da extensão roxa. Portanto, deve-se colocar as coisas assim:
Derek I
Claramente, o Daniel que existiu entre o dia D e o dia da amnésia deixou de existir (o que é equivalente a morrer). (Se eu não houvesse revertido meu estado cognitivo completamente, mas apenas certas memórias formadas desde o dia D, possivelmente o Daniel que existiu entre o dia D e o dia da amnésia ainda existe.) Não sentimos tanta falta pois ainda existe outro Daniel, que não existiu do dia D até o dia da amnésia, mas que existiu após o dia da amnésia e é tão Daniel quanto o que faleceu. É como se, no cenário em que Derek Parfit é clonado, um dos Parfits morresse – seria uma morte, sim, mas não ficaríamos tão tristes porque haveria outro Derek Parfit muito parecido. (Se a clonagem houvesse ocorrido há 30 anos e um deles morresse, então de fato perderíamos um Derek Parfit com características únicas, e seria uma grande perda. Mas Derek Parfit ainda possuiria uma instância no mundo.)

No entanto, me parece valer a pena assumir essa conclusão desconfortável, pois a teoria da identidade que a subjaz reconcilia uma série de intuições comuns sobre identidade pessoal. Ainda por cima, ela explica uma forte intuição (talvez singular minha) que eu tenho e, por fim, pode resolver um problema ético bizarro que Nozick colocou.

[P.S. Falar sobre o caso da fusão de dois hemisférios de pessoas diferentes, e sobre a teoria do Roland Puccetti que nós temos duas pessoas em nós a todo momento.]
~
Existe um tipo de cenário que eu gosto de imaginar antes de dormir: minha psicologia voltando no tempo e sendo incorporada no meu corpo de quando eu tinha 10 anos (a graça é imaginar o que eu faria com esses 10 anos extras de estudos, além de imaginar as tiradas inteligentes que eu faria com os professores). Só que eu sempre adiciono o seguinte critério para este transporte de consciência: eu perderia as minhas memórias de eventos que ocorreram entre 2007 e 2016 (dos meus 11 aos meus 20 anos), mas manteria meu entendimento filosófico, minha sabedoria prática, minha maturidade emocional, meu conhecimento científico, e minhas atitudes com a vida, as pessoas, e assuntos intelectuais.

Sempre que imaginava esse cenário eu sentia um certo vazio: oras, se eu perderei tanta coisa, tantas memórias, inclusive a memória destas considerações que estou fazendo agora, então será que serei eu a experienciar essa viagem aos meus 10 anos? Sempre me parece que não, mesmo que eu mantenha praticamente todas as minhas disposições. Me parece que eu não serei a mesma pessoa que eu sou agora, neste momento M, porque eu serei incapaz de pensar “eu sou a mesma pessoa que eu era naquele momento M.” Como nunca vivi o momento M, não tenho ter uma ideia sobre este momento. Não é necessário que eu lembre do momento M em si, mas mesmo pelo menos lembrar que houve um momento M em que eu pensei algo como estes pensamentos. Seria a confirmação que eu sou a mesma pessoa, que eu tenho continuidade com a pessoa daquele momento M. Ou algo assim.

Agora, imaginem que estou entre o dia D e o dia da amnésia, e em um momento N eu penso: “poxa vida, se eu perdesse a memória dos últimos dias eu nunca lembraria deste momento N.” Parece que a pessoa específica – a extensão de Daniel – que está tendo esse pensamento não existirá mais no futuro. Ao menos, é assim que eu me sinto, mas essa teoria tem algumas dificuldades. Por exemplo, eu perco memórias do passado todos os dias, inclusive de momentos em que eu pensei “este é um momento L que eu poderei esquecer no futuro.” Mas se assumirmos temporariamente que essas objeções são esqiuváveis sem grandes mudanças, eu poderia ter uma explicação pra intuição esquisita que sentimos quando entramos na Máquina de Felicidade de Robert Nozick.

Por hipótese, quando entramos nela nós nos esquecemos da existência do mundo externo e, como consequência, esquecemos de tudo que pensamos enquanto decidíamos se entrávamos na Máquina ou não. Quando eu me imagino tomando essa decisão, eu sempre penso num momento P: “se eu entrar nesta Máquina eu esquecerei este momento P, que coisa estranha, não serei eu dentro da Máquina…” – e isto explica o absurdo de eu não me sentir confortável escolhendo ser enganado em prol da minha felicidade. Eu estarei sendo enganado a tal ponto que esquecerei de tudo que aconteceu enquanto eu deliberava ser enganado ou não, entrar na Máquina ou não. É como se eu houvesse sofrido amnésia. O Daniel Coimbra tomando a decisão sabe que a pessoa dentro da Máquina será outro Daniel Coimbra – e isso torna a decisão impalatável. Entrar na Máquina da Felicidade de Nozick é morrer. (Só que haverá um outro Daniel Coimbra vivo. É mais ou menos como se, no caso do Derek Parfit clonado, o Derek da Terra morresse, enquanto o Derek de Marte continua vivo.)

Então utilitaristas podem continuar seguros – o experimento mental de Nozick não prova coisa alguma sobre o valor que colocamos no conhecimento da verdade, em detrimento da felicidade. Ele só prova algo sobre nossa noção de identidade pessoal.

[P.S. Adicione algo sobre o caso em que sua psicologia é lentamente transformada na psicologia que hoje é de um ditador sanguinário qualquer que então será torturado, nos casos em que um brain-scan analisando a mente do ditador vai enviando informações pro seu cérebro e o updateando, e no cenário em que isso é fortuito. E também o caso no qual te falam que amanhã vão torturar seu corpo, mas sua memória de hoje vai ser apagada; e no caso em que vão torturar seu corpo, mas o conteúdo do seu cérebro vai ser transmutado para o conteúdo do do seu amigo, com continuidade física do cérebro.]
~
Ainda em ética, digo o seguinte: se você é uma extensão psicológica de S, então você é responsável por tudo que S é responsável. Claro, existem ressalvas: se você é uma extensão psicológica muito modificada da pessoa original, então você possui menos responsabilidade pelo simples fato que sua psicologia atual talvez jamais faria aquele ato da pessoa original. Por exemplo, uma pessoa muito bondosa e caridosa de 24 anos é responsável pelos atos de bullying que ela cometeu aos 14? Certamente não.

[P.S. Considere o caso em que você fez uma merda e teve amnésia permanente completa, e também o caso em que sua psicologia é lentamente transformada na psicologia que hoje é de um ditador sanguinário, à luz da responsabilidade moral.]

Como a discussão das seções acima sugere, a cada momento somos pessoas diferentes, pois somos extensões psicológicas levemente diferentes da pessoa-fonte (por exemplo, do Daniel Coimbra de 10 anos). O interessante é que podemos unir isso à tese do último parágrafo e dizer algo que parece contra-intuitivo: você pode ser responsável pelos atos de uma pessoa diferente que você – mas só se você for uma extensão psicológica dela.

Essa teoria da identidade também explica como podemos falar sobre pessoas que não vemos há muito tempo. Por exemplo, se eu não vejo João há três anos, da minha perspectiva pode ser que João tenha largado a faculdade e virado músico, quanto pode ser que ele tenha completado a faculdade e tornado-se dentista. No entanto, o João de verdade é um dentista, e não um astro do rock, e pensar sobre o João de verdade seria inconsistente com pensá-lo como um não-dentista. Acontece que tanto minha concepção de João quanto uma concepção atualizada de João descrevem igualmente um João (mas não a mesma pessoa – suponha que depois que eu vi João pela última vez, ele foi clonado, e um virou músico e o outro dentista: não há o João que eu conheci da última vez. Ambos o são, apesar dos dois serem pessoas diferentes. Logo, o João antigo não pode ser a mesma pessoa que nenhum dos dois. Segue que um João num t não é o mesmo João num tempo t+/\t, mesmo que ambos sejam João e mesmo que ambos sejam duas versões de João muito parecidas e que compartilham virtualmente as mesmas memórias sobre você e sobre sua relação juntos.)

Tal teoria da identidade também faz sentido de identidade através de mundos possíveis (transworld identity), e explica porquê faz sentido falar que Aristóteles poderia ter sido um cozinheiro e Elizabeth Winsdor (que no mundo real é a Rainha da Inglaterra) poderia ter se tornado uma palentóloga da Universidade de Berlin: o Aristóteles cozinheiro e a Elizabeth paleontóloga são ambas extensões psicológicas de um sistema cognitivo (uma criança) que existiu nestes dois mundos com propriedades crucialmente semelhantes.

Isso pode salvar teorias descritivas do significado das garras de Kripke. Um de argumentos que ele dá em Naming and Necessity considera que “Aristóteles” significa o cluster de descrições “o maior filósofo da antiguidade, professor de Alexandre…”, de tal modo que “Aristóteles foi o maior filósofo da antiguidade, etc.” é uma verdade necessária. Isso contradiz a ideia de transworld identity e do nome “Aristóteles” como um designador rígido que poderia ter denotado um cozinheiro ou alguém que morreu na adolescência. Pois bem, eu proponho que “Aristóteles” na verdade significa a descrição “é uma extensão psicológica da criança tal” (e a “criança tal” por sua vez seria um cluster de descrições que denotam unicamente uma certa criança) – e assim mantemos uma descrição de Aristóteles que satisfaz nossas ideias sobre identidade através dos mundos e designadores rígidos.
~
Meu colega Victor Sholl descobriu uma objeção fortíssima a essa teoria. Se o que distingue uma pessoa da outra, uma entidade cognitiva da outra, são as especifidades da extensão-psicológica-de-Daniel que constitui essa entidade cognitiva, então o que dizer do seguinte caso: um Daniel entra no Replicador no momento t e, a partir desse momento, existem dois Daniéis que são extensões do Daniel-em-t. Até aqui, nada de novo – mas e se sujeitássemos os dois Daniéis a exatamente as mesmas experiências? Num mundo determinista, os dois continuariam sendo exatamente o mesmo tipo de extensão-psicológica-de-Daniel enquanto as experiências forem as mesmas. A mudança que ocorrer em um vai ocorrer no outro.

E aí, são exatamente a mesma pessoa? Pode uma mesma pessoa existir em dois lugares ao mesmo tempo? Parece que a única distinção entre os dois é que são numericamente diferentes, tal como duas bolas idênticas são numericamente distintas por serem entidades diferentes. No entanto, eu havia negado esse tipo de identidade numérica às mentes, e disse que a única distinção entre uma mente e outra era seu caráter psicológico. Espero que essa não seja a objeção fatal que aniquilará essa minha visão!
~
P.S. Escolhi o critério em 10 anos para que haja um núcleo de personalidade razoavelmente formado.

Anúncios